a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

9 de agosto de 2012

COMO É DIFERENTE A LUTA NO LADO DE LÁ




Como é diferente a luta do lado de lá da fronteira. Por cá, salvo uma ou outra descida pela avenida, os nossos sindicatos preferem os brandos costumes bafientos e salazarentos, condenando TUDO o que vai fora do status quo vigente. Claro que o sistema agradece, os falcões do mesmo riem da nossa inoperância de luta efectiva, da nossa subjugação, da nossa mania de ser subserviente e obediente. 

Quem mais do que a esquerda do sistema (e não só) para nos mobilizar e incentivar à luta efectiva que dê resultados práticos e imediatos? Sim, quem mais?

Mas quando essa mesma esquerda, ou parte dela, quer a UE e o €uro, quer a negociação da "dívida", enfim, quer manter os seus privilégios institucionais e não só, caros amigos, nada há a fazer.

Ou será que há?

Eu (e não só) penso/pensamos que sim, que existem alternativas ao sistema, que as mesmas se situam no varrer com os capitalistas, incentivando o cooperativismo, o mutualismo, a auto-gestão e a acção directa.   

1 comentário:

Zé Marreta disse...

Pois, até nisto somos pequenos. Uns carneirinhos seguidores, amorfos e desmotivados. Mas quando o exemplo também chega de quem devia utilizar o seu lugar para combater ferozmente o sistema...

Saudações!