a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

19 de junho de 2006

JÁ NEM CAGAR SE PODE

Portugal, ano 2006. Numa empresa de calçado, um "patrão" daqueles novos ricos que por aí proliferam, instalou um sitema electrónico para controlar os funcionários cada vez que estes vão fazer as suas necessidades básicas. Ou seja, cada cagadela ou mijadela fica registada em computador, se o trabalhador anda de caganeira é que vão ser elas, com o descontos no salário que o patrão lhe tira, não vai sobrar quase nada para o papel higiénico.
Olha se o Sócrates se lembra de instalar uma coisa destas na Assembleia da República.......

14 comentários:

Mariazinha disse...

Pode crer que não é inedito, já ouvi falar num caso de um supermercado cujas funcionárias eram "obrigadas" a utilizar fradas
para evitar as idas à casa de banho. Existe tambem um hotel em Lisboa que tem camaras por todo lado inclusivamente à entrada das casas de banho dos funcionários.
Em caso de abusos contra os trabalhadores a hotelaria é do pior que há!
Um abraço e obrigada pelo elogio!

CORCUNDA disse...

Não! Aí de certeza absoluta não vão instalar uma coisa dessas. Aí se instalarem, talvez seja um televisor com DVD's pornográficos que é para demorarem mais tempo! É que os coitadinhos já passam tanto tempo no hemiciclo que precisam de descontrair na casa-de-banho...

Abaixo os abusos disse...

Qual o supermercdo mariazinha?
Não basta mandar bitaites. Queremos saber quem são os FDP.

jotadias disse...

Houve um caso (noticiado no C.Manhã) de uma loja Lydel que despediu uma funcionária por esta ter engravidado. Aliás é ou era prática corrente não só neste mas em outros supermercados, darem preferência a funcionários/as solteiros/as e sem namorado/a. É a escravidão do Sec. XXI. É o capitalismo a mostrar as suas garras. Nem o "botas" se atreveu a tanto.

Um abraço a todos

Mariazinha disse...

Ao Sr.dos "abusos" quero dizer em principio não respondo a anonimos.Mas como achei piada ao contrasenso cá vai:
Como pode querer saber de quem se trata se você próprio se esconde atras do anonimato?
Um abraço

jotadias disse...

Olha Mariazinha, como dizia um amigo meu "os cães ladram e a caravana passa"

Vai ferroando

Savonarola/JB disse...

Quero acreditar que o Sócrates não se atrevia a tanto... Mas o exemplo é dos mais fortes de controlo anti-democrático. A computadorização das empresas tem permitido este tipo de controlo abusivo dos trabalhadores. Tudo é registado, horas de trabalho, produção, faltas, etc. Caminhamos para a perda de liberdades individuais. Se a tecnologia "só" contribui para isto, prefiro ter menos tecnologia e mais liberdade! Um abraço

Anónimo disse...

Pois é mariazinha:

Bitaites para o ar é fácil.

A verdade é danada, não?

Mentiu, logo é mentirosa.

Essa do supermercado é falsa. Podia dar outros exemplos (não faltavam).

Repito: MENTIROSA.

P.S.: O mariazinha não deixa de ser anónima. Não tem morada, não tem nome completo, não tem telefone. Logo é uma anónima.

Mariazinha disse...

O Sr. Anónimo devia ter sido da PIDE tão preocupado que está a identidade das pessoas. Preocupe-se em respeitar o proximo e não ofenda quem não conhece.
Quer ter protagonismo tenha-o pela positiva, faça um blog e tenha a coragem de defender as suas ideias
Estamos em democracia e como já lhe disse não tenho que lhe dar explicações.
Quanto a tal supermercado não digo o nome porque não quero!
Deixe de ser tão amargo leve a vida com mais calma e não ofenda as pessoas.

jotadias disse...

Ele há com cada "cromo" que vou-vos contar.......
Este Sr. sem nome, não deve viver em Portugal, provavelmente vive na Noruega ou quem sabe na Filândia ou talvez na Suécia (Países onde os direitos humanos não são miragem), não sabe, pois se soubesse não dizia atoardas como diz, e não sabe ou não quer saber que em Portugal a escravatura e a procura sistemática de mão de obra barata é um maná só ao alcance de Países como os USA, Brasil, ou parecidos.

Abra os olhos amigo, não seja sectário, veja as coisas como elas são e não como gostava que fossem.

Vão ferroando

Anónimo disse...

Pois é, parece que o tal supermercado não existe.

Faz-me lembrar o antigamente: também se dizia por cá que os comunistas comiam criancinhas.

Mais uma vez, mariazinha: Se não disser o nome do supermercado, VOCÊ É UMA MENTIROSA.

Quanto à identidade: você deve ser burra como uma porta. Então primeiro acusa-me de anónimo e depois de PIDE por eu insinuar que vc também é anónima? Ainda por cima diz viver em democracia e assim tem o direito de dizer o que acha? A liberdade acaba onde começa a dos outros. Viver em democracia não nos deve dar o direito de mandar farpas para o ar sem nexo.

Caro Dias: o que vc disse, disse bem e não precisou de inventar para expor o seu ponto de vista. Que está correcto.


P.S.2: E para não haver dúvidas, sou o Morra de Vila Pouca de Aguiar. Os meus amigos conhecem-me pela minha alcunha.

Abraços a todos.

jotadias disse...

Caro Morra de Vila Pouca de Aguiar


Bem, assim já o podemos tratar com alguma dignidade, penso que está de acordo.

Quem nos diz que esse tal supermercado que a Mariazinha diz saber em que houve casos de abusos, não foi ela mesma a protagonista desses mesmos abusos?


Por vezes, companheiro Morra, as coisas não são tão lineares como parecem, há engulhos e nas entrelinhas diz-se muita coisa.

Vá ferroando

mentecapto disse...

Quanto às fraldas não sei. Mas conheço, eu e toda a gente minimamente atenta, o caso de um supermercado que obriga os funcionários da caixa a estarem em pé a registar as compras durante todo o turno. O motivo: talvez faça bem às varizes...

jotadias disse...

Ó Mentecapto diz que é o Lydel. Não há que ter medo desses tipos, eu nunca comprei nada nesses f.da p. , só tenho pena dos desgraçados que lá ganham o pão de cada dia, são explorados até ao tutano.

Abraço