a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

12 de dezembro de 2006

SERÁ DESTA?

4 comentários:

Savonarola/JB disse...

O que se passa no futebol é de arrepiar. Mas o mais grave, a meu ver, é o impacto que estas coisas têm na nossa sociedade. Se vivêssemos numa sociedade mais esclarecida - o meu desejo de anarquista - nada disto se passava: pelo menos desta forma...
Um abraço

jotadias disse...

Isto (apito dourado e quejandros)como a "Casa Pia", "Operação Furacão" e outras tretas parecidas não vão dar em nada. É areia prós olhos do pessoal, é a forma de uns tantos advogados, juízes, etc., ganharem mais uns cobres e muita notoriedade. O único que deu o cú ao manifesto foi o Bibi, entretanto agora parece que perdeu o pio (juntamente com o seu advogado) e a troco de uns Euros bem chorudos, mantém o bico calado, que senão é mais um prá morgue.
Não tenhas ilusões, o País é pequeno, toda a gente está comprometida com toda a gente, todos têm telhados de vidro, todos têm o seu ponto fraco, e, os abutres como o sabem, exploram a situação e chantageiam. Onde está o juíz que enfiou na choça o Pedroso? e o foi buscar à assembleia da república?
onde está a procuradora que meteu na pildra o Vale e Azevedo? encostaram-na pois claro.
Estes tipos até se dão ao luxo de contratar detectives para seguir e pressionar os magistrados que estão incumbidos do processo, ao que isto chegou?
Não amigo, não acredito nesta justiça.

Anónimo disse...

Plenamente de acordo jotadias.

Savonarola/JB, só uma dúvida: desde quando existe sociedade na anarquia? É que fiquei a pensar.

Mariazinha disse...

O futebol é só mais um tentaculo de um polvo enorme.
Se houver mais "carolinas" com coragem ainda pode ser que esta terrinha comece a tomar outros rumos.Esta alternadeira não é inocente, para mim fosse porque motivo fosse falou.Se calhar se fosse uma juiza não falava,é uma questão de classes...
Tens toda a razão, eu não acredito mais na justiça portuguêsa até prova em contrário.
Um abraço