a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista
a desobediência é a verdadeira base da liberdade, os obedientes são necessariamente escravos

13 de agosto de 2007

DUBAI, PARAÍSO DO CAPITALISMO

Image Hosted by ImageShack.us

Para gáudio do capitalismo mundial (alguns portugueses incluídos) este “paraíso” fiscal e não só está a construir desenfreadamente e a toda a pressa (o petróleo vai acabar) unidades hoteleiras, edifícios para escritórios, zonas de lazer e até casinos, para os ricalhaços irem gastar o dinheiro que roubam aos trabalhadores. Tudo isto nas barbas dos países ditos ocidentais que a troco do ouro negro vão enviando magotes de escravos, sim amigos, escravos, para fazer face ao desemprego nos seus países.

Só no ano de 2006 morreram em acidentes de trabalho mais de MIL trabalhadores e suicidaram-se cerca de CENTO E CINQUENTA devido sobretudo às condições desumanas a que estão sujeitos. Estes escravos são obrigados a trabalhar DEZESSEIS HORAS POR DIA, seis dias por semana, com apenas QUINZE MINUTOS para o almoço. Comparado com estes tipos Hitler era um santo de altar.

Enquanto isso as mulheres continuam a usar a terrível burca, não têm direitos nenhuns e no carro vão atrás.

Tudo isto acontece porque a hipocrisia dos governantes ocidentais é maior que os arranha-céus que estão a construir. UMA VERGONHA O QUE SE ESTÁ A PASSAR.

Também “figuras” ditas públicas como Luís Figo, Tiger Woods (golfista), David Beckham, Rafael Nadal (tenista) , etc., já “investiram” no “paraíso”.

2 comentários:

CORCUNDA disse...

Boa ferroada!
Realmente em termos de respeito pela mão-de-obra, que é no fundo a criadora daquela riqueza toda, o Dubai é um exemplo que faz corar de vergonha qualquer país dito terceiro-mundista.
Trabalhadores paquistaneses, indianos, indonesios, do Sri-Lanka, Malásia, Bangaldesh, etc, caem como tordos a trabalhar de forma desumana, em condições extremamente agressivas, 12, 14 e mais horas por dia, debaixo de temperaturas que no pico do Verão chegam a atingir os 50º e a viverem
em bairros degradados sem o mínimo de condições, que nem nas favelas do Rio-de-Janeiro existem.
É nestes complexos de luxo, feitos por gente incógnita e sofredora, que as mais "ilustres" figuras do jet set internacional vão habitar, desconhecendo ou mais provavelmente ignorando as circunstâncias em que foram construídos. Muitos são os mesmos que andam por aí a dar a cara a campanhas humanitárias e de solidariedade. Como é hipócrita este mundo.
Abraço.

Dias disse...

Olha amigo, será esta a sociedade que queremos?

EU NÃO QUERO

À que mudar o sistema

Abraço revolucionário