a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

5 de abril de 2009

ASSASSINOS

Image and video hosting by TinyPic
.
Será possível? Não estamos a sonhar? É mesmo verdade?
.
O "governo" canadiano autoriza a matança de focas todos os anos, os assassinatos só terminam quando os "caçadores" (digo) assassinos tiverem contabilizado 280 mil. Os animais são mortos à paulada, a sua pele é retirada com os mesmos na maioria das vezes ainda vivos e as suas carcaças abandonadas. As peles não demorarão muito estarão ao pescoço de uma qualquer madame, numa qualquer cidade, deste mundo imundo, cruel e desumano.
.

2 comentários:

Kaotica disse...

As atrocidades que se cometem em nome do lucro. A quem pertencem afinal essas peles? Que propriedade têm sobre elas esses negociantes assassinos? Que direito têm, na ordem da criação de predar as outras espécies para o luxo e a desmedida? É certo que tais gentes não são gente humana mas sim loucos destruidores que têm que ser parados, varridos desses poderes que a si próprios conferem. Tudo o que está sobre a terra e dentro da terra, os animais, os minérios, as plantas, os oceanos, a água é de todos nós, não é mais de uns do que de outros. Está provado que há loucos à solta a gerir os recursos e a devastar o planeta. É mais que tempo de travar as suas acções nefastas, destruidoras da dignidade humana e da inteligência. ASSASSINOS!

Anónimo disse...

Tenho a, cada vez mais distante, esperança que o bicho homem acorde rapidamente.Não sei como é possível ter coragem para erguer um bastão e magoar um animal indefeso, um ser cuja única culpa é ter uma pele cobiçada por gente sem escrupulos.Eu tenho medo, muitom medo que um dia destes um destes lunáticos acorde e tenha a brilhante ideia de fazer casascos com pele humana. Tenho a certeza que nada os deterá. A mesma certeza que tenho que "quem com ferro mata pelo ferro morre". Bem hajam todos os Homens de boa vontade e coração sensivel. Não se acovardem, continuem a lutar por um mundo melhor.