a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

10 de março de 2010

PARA ELES EU FAÇO ISTO......


O governo prepara-se para entregar ao grande patronato mais uma fatia de empresas estratégicas e rentáveis. Em nome da "crise" que a existir é só para alguns, estes liberais a roçar o ultra-conservadorismo, vão dar aquilo que poderia e deveria ser do Povo. Falavam de Cavaco que em tempos fez merda idêntica, Ferreira Leite segui-lhe os passos,  contribuindo para o acumular de riqueza por parte de amorins e quejandos, o Povo, esse, continua impávido e sereno a assistir à degola daquilo que lhe pertence. Que país é este que todo o seu tecido produtivo está em farrapos ou para lá caminha e o que nos resta é entregue assim ao grande capital? Para onde caminhamos?  Onde está este Povo que conheci e que se batia por ideais? Onde estão os "grandes" pensadores da esquerda? Onde dizem a isto? Não bastam as greves pontuais e as manifestações de encher o olho, o Povo quer acção, se não são capazes ou lhes falta a coragem, demitam-se e entreguem o destino do Povo ao Povo.
Meus amigos, já é mais que hora de dizer basta a esta gente, é hora de nos unirmos e correr com a BESTA. Só nós o poderemos fazer, vamos para as ruas, para as fábricas, para os campos, deixe-mo-nos de individualismos bacocos e, de uma vez por todas, dizer BASTA.  

2 comentários:

Pata Negra disse...

Estes tipo já pararam de dizer que a culpa do país estar assim é dos revolucionarios de Abril. Ainda assim lá vão criticando os tempos da revolução e das nacionalizações. Mas então, se não tivessem sido feitas as nacionalizações onde é que eles iriam buscar a massa que roubam ao povo com as privatizações? Se acham que elas são indevidamente nossas dêem-nas aos desgraçados dos capitalistas que estão a passar um mau bocado.
Um abraço de qualquer sítio onde haja varapaus (não lhes faças isso que eles gostam)

Marreta disse...

Continuo a bater na mesma tecla, é preciso destruir todo o sector produtivo, entregar tudo aos privados (até o Parlamento!) e, se possível aos estrangeiros, encher o bandulho aos 1/2 dúzia da ordem e restantes apêndices, aumentar a pobreza e miséria até ao máximo possível, e aí então pode ser que o povinho abra a pestana. Até à reviravolta, inevitável, ainda vamos penar muito.
O Povinho quer é futebol e caracol!
Saudações do Marreta.