a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

6 de maio de 2008

P.A.C. IGUAL A FOME

Com assinatura da Política Agrícola Comum (PAC) em 2003 a Comunidade Europeia (CE) assinou a sua sentença de “morte” levando atrás milhares de pequenos e médios agricultores e pescadores.

Não se compreende que tantas cabeças pensantes, que recebem milhares de €uros mensalmente tenham cometido tal barbaridade, e isto em nome de uma política onde não havia lugar a excessos de produção, onde por cá até leite foi deitado ao mar, para não falar em pescado, principalmente sardinha. Acrescentado os milhões de euros para se arrancar oliveiras, no Alentejo foram milhares.

Agora as mesmas cabeças inteligentes e bem pagas, já vêm dizer que afinal estavam errados, que não previram a crise alimentar que se regista actualmente (se tivessem perguntado a um qualquer agricultor, este tinha-os informado) e que os milhões de euros gastos para não produzir (as famigeradas cotas), foram deitados à rua, pois temos de recomeçar a cultivar principalmente cereais para fazer face à actual escassez.

Sempre desconfiei destes burocratas ricos e anafados de Bruxelas, são tipos que para eles só contam as estatísticas e os faustos ordenados e mordomias mensais o resto é treta.

É confrangedor passar pelo Alentejo e verificar os campos que antigamente estavam cultivados até à exaustão, agora as estevas e o mato são a “cultura” mais visível, onde caçadores, caçarretas e afins se deliciam aos tiros a perdizes e lebres compradas em Espanha e largadas ao seu triste destino.

É confrangedor também ver, a nossa frota pesqueira “abatida”, com os pescadores no desemprego e o carapau e não só que comemos vir da estranja.

Tudo isto em nome da tal PAC que só nos troce desemprego e fome.

Será que ainda vamos a tempo?

4 comentários:

Marreta disse...

Muito dificilmente vamos a tempo. Foi tudo desbaratinado, desde o sector pesqueiro à agricultura, isto para não falar nos sectores da industria. Neste momento estou com uma grande curiosidade "mórbida" em ver como é que vão dar a volta ao texto, ou se vão persistir na mesma burrice.
Neste momemnto temos um dos maiores celeiros da Europa vazio de sementeiras, somos um país tradicionalmente marítimo sem barcos, temos uma mão cheia do que foram em tempos grandes estaleiros navais fechados ou a produzir barcos para o estrangeiro e temos a indústria praticamente toda entregue ao investimento estrangeiro.
Esta é a realidade, a triste realidade.
Saudações do Marreta.

anamarta disse...

Não sei Amigo, acho que eles já destruiram tudo! ainda este fim de semana a minha mãe me dizia que fazia dó ver os campos cobertos de erva,onde antigamente havia tanto trigo! Sou alentejana, e sempre que lá vou revolta-me ver os campos transformados em coutadas!
Entretanto já começámos a pagar a factura desta medidas inqualificáveis!
um beijo

Ludo Rex disse...

PAC, Não e Não!
Façamos deste Maio uma jornada de luta...
Um Abraço

Estafermococus disse...

Para irmos a tempo, era preciso tirar da frente dos destinos do país o Sr. Pinto de Sousa, o Sr. Silva, o Sr. Menezes (apesar dos patins que lhe deram), a Sra. Ferreira Leite, o Sr. Lopes, ....