a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista

24 de dezembro de 2011

O MEU PRESENTE (DE NATAL) PARA PASSOS COELHO - E NÃO SÓ


A Passos Coelho ofereço um planisfério. Devo dizer que o mesmo foi surripado numa superfície comercial da moda, pois não tinha dinheiro para o comprar. 

O mesmo servirá para Passos Coelho escolher o país para onde emigrará, já que veio dizer que a única solução para professores desempregados e jovens licenciados, etc.,  era emigrar, e como ele foi um gestor de sucesso, tem  um imenso melancial de países onde poderá exercer a sua "profissão". (Já agora qual é a  profissão de Passos Coelho?)

Seguem-se algumas sugestões:

1 - Sugeria em primeiro lugar três países, Coreia do Norte, China e/ou Bielorrússia. 
São três países onde as liberdades individuais e colectivas do cidadão são respeitadas. Por isso Passos Coelho faria um óptimo trabalho como 1ºministro. Aqui podia levar o Paulinho dos bonés, sempre o aconselhava na compra de uma ou outra arma nuclear tão ao gosto daqueles países.

2 - Iraque e Afeganistão.
São países em paz, onde não existem conflitos, aqui podia levar o Macedo das polícias, pois os talibans, os sunitas e os curdos não lhe davam tanto trabalho como os indignados ou a CGTP por cá.

3 - Angola
Aqui Passos Coelho voltaria à sua terra-natal que conhece bem, tendo a certeza que Eduardo dos Santos lhe arranjaria um tacho no governo. Poderia levar o gasparzinho das botas, pois com tanto dinheiro fácil (os diamantes e o petróleo) não teria dificuldade em gerir a "crise", para além de poder efectuar óptimos negócios em Portugal.

3 - Sudão, Etiópia, Somália, etc..
Para além dele (Passos Coelho)  quem teria emprego (tacho) assegurado era o Macedo da Médis, com tanto doente para tratar, o ministro da falta-de-saúde seria tratado como autêntico herói nacional, onde atingiria sem dificuldade um ordenado idêntico ao que tinha no grupo BCP, coisa que actualmente não tem. 

Por fim, poderia emprestar o planisfério ao Silva algarvio, para também ele escolher um poiso adequado à sua inteligência. 

2 comentários:

Anónimo disse...

Caro Ferroadas,

Segundo o Expresso deste fim-de-semana, nem Angola nem o Brasil querem os professores de português de Portugal. Esta posição destes dois países, mais do que a demonstração, é a reafirmação daquilo que todos já sabemos cá no burgo, mas andamos a fingir que não sabemos e não percebemos. O nosso ensino é uma porcaria! Produz Drs aos cabazes, em assuntos onde não fazem falta, ou que ninguém (com dois dedos de testa) percebe para que é servem, e o que é que saberão fazer, e como é que é preciso perder 5 anos numa faculdade para perceber aquilo que se ensina a qualquer idiota num minuto...

Em resumo e para abreviar: para emigrantes como professores, não servem!... só para trolhas e mulheres a dias. E então, aqui, para além da chulice toda que já sustento, ainda tenho de pagar mais impostos, para dar ordenados em empregos de Drs a esta gente? Não me lixem!

José

Kaos disse...

Sei que os tempos não estão para grandes optimismos mas o futuro pode estar nas nossas mãos se soubermos exercer os poucos direitos que ainda nos restam. Aqui deixo o meu desejo de um 2012 tão bom quanto o possível.
Kaos
Wehavekaosinthegarden.blogspot.com