a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista
a desobediência é a verdadeira base da liberdade, os obedientes são necessariamente escravos

14 de setembro de 2007

SELECÇÃO PORTUGUESA (PARTE II)

Infelizmente vou falar novamente da nossa selecção.

Não do resultado, pois em futebol há três possíveis, mas sim das cenas ou da cena tipo filme XXX, com que o técnico nos brindou a todos.

Sem por em causa a competência do senhor, nem sequer a sua sanidade mental, acho que escusava de nos envergonhar daquela maneira.

Se a um vulgar trabalhador de Lineu, que aufere o salário mínimo, trabalha oito ou mais horas todos os dias, não se pode admitir certos desabafos; a uns sr´s que ganham fortunas, trabalham meia dúzia de dias por ano, para além de terem a mania que são inteligentes, não se pode admitir sequer uma palavra menos correcta, quanto mais cenas maquiavélicas daquelas.

Não sou adepto deste futebol, aliás, já o afirmei bastas vezes, este futebol e estes artistas são autênticas marionetas nas mãos de indivíduos sem o mínimo de escrúpulos, de tipos sem o mínimo de princípios éticos e de convivência civilizada, eles (futebol e artistas) coitados, sem o saberem (ou será que sabem) são como a pastilha elástica, mastiga-se e deita-se fora.

Vejam o exemplo da selecção de Rugby, onde cantar o Hino Nacional é uma alegria que leva alguns ATLETAS às lágrimas, onde representar o país é uma honra. Parabéns rapazes.


VIVA O DESPORTO AMADOR, VIVA O DESPORTO PARA TODOS

3 comentários:

zé (do beco) disse...

Também não gosto deste tipo de desporto. Muito menos quando são os prevaricadores os principais críticos de cenas tristes que eles próprios já representaram.

Savonarola disse...

Grande amigo,
Assino por baixo o que afirmaste. Confesso que,por acaso, até nem tenho seguido os desenvolvimentos deste caso, nem assisti ao triste murro.
Se para nos exprimirmos usássemos a batatada, nem à Idade da Pedra teríamos regressado: pura e simplesmente, já nem existíamos como sociedade...
Civismo, acima de tudo. E mais humildade por parte daqueles que se consideram os "grandes" - afinal, tão pequenos...
Um gand'abraço

CORCUNDA disse...

São as duas realidades distintas do desporto. O profissionalismo que movimenta milhões de euros, muitas das vezes injustificados e que alimentam muitos abutres de várias proveniências e o amadorismo quase sempre com poucos apoios e recursos mas muitas vezes capaz de demonstrar os valores mais dignos e representativos do que deveria ser o desporto.
Infelizmente o dinheiro comanda a sociedade e certos valores e virtudes não são condizentes com a ânsia do lucro detorpando a essência do Desporto.
Abraço do Corcunda.