a humanidade só será LIVRE, quando o último corrupto for enforcado nas tripas do derradeiro capitalista
a desobediência é a verdadeira base da liberdade, os obedientes são necessariamente escravos

11 de novembro de 2020

AS NOVAS DITADURAS VS NOVOS DITADORES


O fascismo
É como uma minhoca
Que se infiltra na maçã
Não vem com botas cardadas
Vem em pezinhos de lã
Ainda há quem pense que o que está a acontecer nos USA o que pode acontecer pelo burgo e já aconteceu na Turquia, Hungria, Filipinas, Brasil, Rússia, etc., é fruto do acaso ou como alguns afirmam foi a "falência" da democracia burguesa que o permitiu.
As ditaduras sanguinárias do sec. XX, nada têm a ver com as do sec. XXI. Aquelas, tinham por base o poderio militar e líderes carismáticos que tinham na retórica um dos seus pontos fortes. As do sec. XXI já não necessitam dos militares para nada, têm uma arma mais poderosa - as redes (ditas) sociais. Se a esta poderosa arma juntarmos a retórica e as notícias falsas, então temos pela certa ditadura e ditadores. Se às três acrescentar-mos a ignorância, então está montado um explosivo cocktail, muito mais mortífero que qualquer bomba de atómica.
A eleição e respectiva "presidência" de Trump em 2016 e os 70 milhões de votos agora obtidos, são fruto daquelas quatro coisas que referi - ignorância de quem nele vota, muita retórica, notícias falsas e Twitter. No fundo, dito em duas palavras - alienação das massas. Todos os ditadores a utilizam.
Pelo burgo não chegaremos tão longe pelo menos nos próximos anos, mas para lá caminhamos, não tenho dúvida disso. Os acontecimentos recentes (PSD/Rio vs CHEGA/Ventura) dá-nos a entender que mais cedo ou mais tarde, o envolvimento do fascista Ventura num futuro governo de direita é muito provável. Para mais, com a alienação do CDS em favor do Chega, vai fortalecer este e posicioná-lo em situação de charneira.
Ou então.....
O PS abre os cordões à bolsa ideológica e junta-se à esquerda. Esta, tem de se deixar de rodriguinhos divisórios, esquecer as diferenças e dar corda aos sapatos, se o não fizer, a médio prazo, sujeita-se a ter de passar à clandestinidade, ou coisa parecida.
Nota
Como pode ser Rio tão ingénuo?
Como pode haver tanta gente ignorante no meu país?

7 de abril de 2020

OS POLÍTICOS E O COVID-19

Hoje, vou talvez ser um pouco politicamente correcto (ou não).

Neste período de guerra plena as nações necessitam de dirigentes políticos firmes, correctos, honestos, imunes a lóbis e interesses partidários, sem receio do futuro (nesta guerra o presente é mais importante), credíveis e sobretudo que mostrem coragem nas decisões.

Políticos medíocres, fala-baratos e desonestos, não terão lugar nem nunca deveriam tê-lo.

Os povos, de estarem tão fartos de mediocridade, quando lhes aparece um político que fale verdade (coisa rara), sem receio do que lhe poderá acontecer (politicamente) no futuro, ficam legitimamente de pé-atrás.

Dito isto, Portugal tem um enorme défice de bons políticos, dos que assumem as suas responsabilidades tendo sempre no interesse do Povo as suas prioridades.

Neste momento de perigos vários que o país atravessa e irá atravessar no futuro próximo, precisamos de bons políticos e, sinceramente, não os estou a ver. Mesmo assim e apesar de aqui ou ali denotar alguma demagogia que a partidarite lhe transmitiu, Costa tem gerido a crise de forma satisfatória, falta-lhe a meu ver mais coragem e sentido patriótico para lidar com os tubarões da vida-boa da banca, das grande empresas e principalmente das corporações, minadas que estão de vampiragem que sempre sugaram o nosso sangue.
De 0 a 10, nota - 6

A ministra da saúde tem feito o que pode e sabe, a situação talvez lhe exigisse mais firmeza nas acções e denuncia-se sem medos os lóbis instalados no sector à sua responsabilidade, nomeadamente as máfias nos fornecedores de materiais básicos (máscaras, álcool, gel desinfectante, etc.) e "obrigasse" o responsável (ministro da economia) a actuar de forma firme.
De 0 a 10, nota - 7

Resta o ministro das finanças. Apesar de estar condicionado pelas (más) políticas da UE, têm-se mostrado competente(qb) e assertivo(qb). Não será fácil gerir neste momento a gestão financeira dentro dos condicionalismo impostos de Bruxelas.
De 0 a 10, nota - 5 

Os restantes terão da minha parte notas entre o 0 e o 2. Pois são muito incompetentes.
Em relação a estes, Costa tem de fazer uma de duas coisas:
1 - Ou dá um murro na mesa e obriga os ditos a arrepiar caminho e colocarem-se ao serviço do povo.
2 - Muda de ministros e coloca lá pessoas competentes

Nesta guerra, a incompetência será o nosso grande problema.

Nota
Nesta guerra em que todos somos poucos para a derrotar, não devem a meu ver, caber divisões de natureza partidária e/ou ideológica. A "besta" não escolhe entre direita e esquerda. As "contas", essas, vamos fazê-las depois, se entretanto o houver.



14 de março de 2020

O pós-COVID-19 e os nacionalismos/fascismos


Se no pós-covid-19 (acredito que o haja) os governos (ditos) liberais, melhor, os governos que ainda respeitam a liberdade, não se prepararem para o choque que aí vem, vai ser uma escalada desenfreada dos nacionalismos vs fascismos.

Para tal, basta verificar o que aconteceu no pós-2008, onde à custa de uma crise monetária que colocou o mundo à beira do caos e onde os novos fascismos ressurgiram em força.

Desta vez vai ser pior e porquê.

Os nacionalistas/fascistas vão apontar todas as culpas à globalização, onde, como sabemos, as fronteiras quase não existem, melhor, o controlo sobre as mesmas.

E será neste ponto que eles se concentrarão para levar os incautos e acreditar que a pandemia foi, em grande medida, culpa da incúria dos governos, nomeadamente da EU.

Teremos de ter (talvez) mais receio desta gente que do próprio vírus.

Finalmente é bom lerem este artigo de opinião de Yanis Varoufakis  no jornal “The Guardian”. 




2 de março de 2020

CONTRA O FASCISMO, SEMPRE


Enquanto as esquerdas se vão entretendo a brincar à política, sempre muitos certinhos e anafados, a extrema-direita fascista reorganiza-se e une-se.

Dias 10 e 11 de Março em Lisboa a nata fascista portuguesa reúne-se. Paulo Portas é o cabeça de cartaz. No evento, estarão os contra-revolucionários terroristas do ELP/MDLP - José M. Júdice e Jaime N. Pinto, os pró- fascistas da linha mais modernaça – Poiares Maduro, Francisco R. Santos, Mota Pinto, Miguel Morgado e Nuno Garoupa e os novos fascistas Ventura e J. Cotrim.

Debaixo da capa do autodenominado “Movimento Europa e Liberdade, de J. Marrão” o fascismo luso encontrou neste a forma “legal” de conspirar e promover aquilo a que o sistema apelida de “populismo” mas que na realidade é puro fascismo.

Tudo isto às claras e como não podia deixar de ser, bem promovido pelos órgãos de comunicação (dita) social.

O sentido se oportunidade não podia ser o melhor, depois da “morte” da solução política do governo anterior, cujo final se deveu à linha mais conservadora do PS, a extrema-direita fascista começa assim a botar a cabeça de fora e não se inibe de convidar Ventura.

Com o convite a esta aberração, a esquerda leva mais uma banhada de enganos e equívocos vários. Pensava esta que as palavras de rejeição a Ventura por parte do PSD e do CDS eram para considerar e levar a sério. Puro engano como se verifica.

A esquerda que não abra os olhos a não se una, por este andar não vai demorar muito a ascensão e tomada do poder por esta gente.

Depois, caros camaradas e amigos será tarde.  

20 de fevereiro de 2020

Portugal é um país racista?


Portugal é um país racista? Não
Os portugueses de uma maneira geral são racistas? Não
Mas como diz o outro – que os há, há.

Então que dizer em relação aos vários acontecimentos de cariz racista e não só que têm surgido ultimamente?

A minha opinião é clara – estupidez, ignorância e uma enorme falta de cultura democrática.
O surgimento de organizações que perfilham o ódio e a segregação fazem o resto.

Não é só no futebol que se assiste a manifestações racistas, a mesma é transversal a toda a sociedade, talvez não tanto como em alguns países (com os USA à cabeça) mas o certo é que vão acontecendo, algumas de extrema gravidade.

Dizem-nos que a sociedade portuguesa está a mudar, que os valores do respeito e da tolerância pelo semelhante é coisa do passado (é coisa de velhos), que as novas gerações se estão marimbando para essas coisas, blá, blá, blá. Penso que não, existe de tudo – pessoas boas e más em todos os extractos sociais e em todas as idades, como disse atrás, é tudo uma questão de respeito pelo semelhante.

Considero o racismo uma doença, o racista é uma pessoa desequilibrada mentalmente, que nem sequer nutre respeito para consigo próprio, logo, a necessitar de internamente num qualquer estabelecimento adequado.

Código penal português
Artigo 240.º
Discriminação racial, religiosa ou sexual

1-Quem:
a) Fundar ou constituir organização ou desenvolver actividades de propaganda organizada que incitem à discriminação, ao ódio ou à violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual, ou que a encorajem; ou
b) Participar na organização ou nas actividades referidas na alínea anterior ou lhes prestar assistência, incluindo o seu financiamento; é punido com pena de prisão de um a oito anos.
2 - Quem, em reunião pública, por escrito destinado a divulgação ou através de qualquer meio de comunicação social ou sistema informático destinado à divulgação:
a) Provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual; ou
b) Difamar ou injuriar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual, nomeadamente através da negação de crimes de guerra ou contra a paz e a humanidade; ou
c) Ameaçar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual; com a intenção de incitar à discriminação racial, religiosa ou sexual, ou de a encorajar, é punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos.

11 de fevereiro de 2020

Quando nos entrarem em casa, já será tarde

Texto transcrito de um vídeo de Mário Machado que vi e ouvi no "Polígrafo", hoje.
"O conselho que dou aos meus queridos amigos que me acompanharam durante quase 25 anos de luta nacionalista é que se se quiserem inscrever no Chega nunca, em caso algum, digam que pertenceram a algum movimento nacionalista ou de extrema-direita. Não têm de o fazer. Pelo menos naqueles que eu liderei não existe prova alguma que vocês façam ou tenham feito parte dessas organizações porque só eu e apenas eu é que posso provar que o indivíduo “a” ou “b” pertenceu à minha organização. E eu nunca o vou fazer. Como nunca o vou fazer, só vós próprios podem pôr a corda ao vosso pescoço.”
Depois avança
"obedeçam a André Ventura, o líder de um partido que considero uma lufada de ar fresco no panorama político português porque incomodado os nossos inimigos”.
Que mais será necessário dizer ao Marcelo, ao Costa, ao Ferro, aos Juízes do Tribunal Constitucional, à polícia secreta, etc., será que só acordam quando esta escumalha nos estiver a entrar casa dentro?
Fui, entre milhares de outros portugueses, dos que sofreram às mãos de Salazar/Caetano, da PIDE, dos legionários e dos bufos.
Sinto-me desiludido com esta "democracia" de merda que permite este tipo de "gente".

Mesmo "velho", lutarei até que a morte me levar para exterminar o fascismo e os fascistas do meu país.

8 de fevereiro de 2020

Inquérito fascista

Os acontecimentos sobre a ascensão dos novos fascismos em Portugal sucedem-se a um ritmo alucinante, às claras, apesar da Constituição da Republica não permitir organizações fascistas. Os mais "liberais" dizem que afinal estamos num país "democrático" onde a liberdade de expressão e associação é livre. Pois, mas foi exactamente em liberdade que os grandes fascismos surgiram, na altura com botas cardadas, fardas castanhas e com balas no bornal, agora surgem nas redes (ditas) sociais, de mansinho e com vestimenta de marca. 

Vejamos a imagem e o texto que a acompanha. A  mesma reproduz (de mansinho) a natureza racista e xenófoba do primeiro partido parlamentar verdadeiramente fascista depois do 25 de Abril. 

Os actuais deputados e governantes deviam sentir-se envergonhados de ter a seu lado gente deste calibre. Alguns (actuais e antigos) tudo fizeram para que estas coisas acontecessem (corrupção, compadrio, incompetência, desleixo, etc.) e escancararam-lhes as portas, se a isto juntar-mos a ignorância e o saudosismo de alguns, as falinhas mansas desta repugnante gente faz o resto. Dizem os tais "liberais" - mas o tipo foi eleito "democraticamente", para ali estar alguém votou nele. Pois, o tipo do bigodinho ridículo também o foi. 

4 de fevereiro de 2020

Os brandos costumes do actual sistema, produz fascistas todos os dias

Para alguma "esquerda" que aceita e convive em sã companheirismo ((não escrevi camaradagem para não ofender alguns (poucos) camaradas que ainda existem pela AR)) com esta gente de pura ideologia fascista, limpem-se a este guardanapo.
Estas afirmações foram proferidas em 2010, mas o seu autor, o fascista Matos Santos, tem todo o apoio do seu salazarinho Francisco Santos.
Admirador confesso de Salazar, Matos Santos refere-se inclusive à ponte 25 de Abril - aquela que atravessa o Tejo, ligando Lisboa à margem Sul - pelo seu nome original "Ponte Salazar".
Para quem não se dê ao trabalho de ler o conteúdo da peça, aqui vão algumas "pérolas" fascistas vomitadas pelo dito:
"A questão é: Era preciso uma Revolução? O país crescia mais de 6 pontos percentuais por ano, a guerra do Ultramar estava ganha, havia emprego e estabilidade, Portugal era reconhecido internacionalmente, tudo estava calmo!"
Referindo-se ao 25 de Abril
"Um golpe de Estado, um ato duvidoso de uns quantos oficiais do quadro permanente, por questões corporativas e salariais, apoiados por desertores no exterior (imagine-se que um deles pretende hoje, ser Presidente da República), que nos quiseram trazer os famosos 3 D’s - Descolonização, Democracia e Desenvolvimento"

"Viva Salazar! E ele vive mesmo! Façam o que fizerem, mudem o nome da ponte que ele fez, apaguem nomes de ruas, mintam sobre ele, façam o que fizerem nunca conseguirão apagar a sua memória e o seu vasto legado! Foi sem dúvida alguma um dos maiores e melhores portugueses de sempre!".
Disse também que a PIDE era "uma das melhores polícias do mundo", que só provocava problemas "aos comunistas e àqueles que atentavam contra a segurança do Estado", "e muito bem" e negou a existência de torturas levadas a cabo por aquela polícia.
Salazar, lá no quinto dos infernos deve estar a rejubilar-se e a dizer para os seus botões - "sou mesmo um génio, pensei que tivesse encontrado um seguidor (referindo-se a Ventura), afinal aparece outro ainda mais fascista que aquele"
Senhores e senhoras do BE e do PCP - quando de cruzarem com estes filhos de puta, lembrem-se dos vossos camaradas que sofreram e morreram nas prisões de Salazar/Caetano que estes tipos idolatram, mudem de trajectória e ignorem-nos, façam de conta que está ali uma bosta de merda a cheirar mal, esta gente não merece qualquer tipo de respeito.
25 DE ABRIL SEMPRE
FASCISMO NUNCA MAIS

1 de fevereiro de 2020

UNIR A ESQUERDA CONTRA O NEOFASCISMO TUGA


A disputa pela liderança da extrema-direita (digo) neofascismo português vai ser dura ou não será bem assim?

CDS, IL e alguns sectores do PSD incluindo Rui Rio, já vieram a terreio afirmar que não descartam alianças com os fascistas do Chega. Em termos ideológicos o novo CDS não difere nada do Chega, as ultimas afirmações públicas dos novos dirigentes do CDS assim o indicam.

Francisco Rodrigues dos Santos (Chicão), é o típico facho da nova vaga. Jovem, conservador nos costumes (é contra o aborto, contra o casamento gay, contra a educação sexual nas escolas, pela privatização do ensino público, do SNS e dos transportes, etc.) e ideologicamente admirador e seguidor dos novos fascismos, tendo em Marion Le Pen a sua inspiração.

O vice-presidente, Abel Matos Santos é o seu homem de mão, aquele que dá a cara pelas posições mais “ultras” do partido, onde não faltam os elogios a Salazar e à PIDE, critica duramente Aristides de Sousa Mendes por ter salvo durante a II Guerra Mundial de morte certa milhares de pessoas que ele apelida de “agiotas”.

O IL é um “partido” da alta burguesia endividada e falida que quer renascer à sombra dos escombros do CDS. São os “naturais” herdeiros da alta finança deserdada e dos descendentes do Bellet Rose.    

De Ventura já todos sabemos as suas posições racistas, xenófobas, homofóbicas, etc., é o fascista puro, é o protótipo do ariano tuga.

Ou seja, estamos perante “líderes” de puro ADN fascista, que “bebem” o seu ódio no nazi-fascismo de Hitler, Mussulini, Salazar ou Franco, desprezando os mais elementares conceitos da dignidade humana.

Por isso, a disputa entre eles vai ser pacífica, prevejo até a curto prazo, o “casamento” a três com pompa e circunstância, tendo como padrinhos do enlace a ala mais radical do PSD.

À esquerda parlamentar burguesa e amorfa só resta uma solução – ou arrepiam caminho e mudam de paradigma ou irão/iremos ver a ascensão pausada mas metódica do neofascismo. PCP, BE e outras forças progressistas têm de uma vez por todas de se desligar do politicamente correcto e regressar à sua origem revolucionária, unir as massas populares em seu redor e criar uma frente única popular e revolucionária.   

31 de janeiro de 2020

A ESQUERDA NÃO PODE SER "CERTINHA"


As declarações proferidas ontem na AR pela “esquerda”  (Pedro Filipe Soares (BE), Ana Catarina Mendes vs Pedro Delgado Alves (PS),  João Oliveira (PC), José Luís Ferreira (VERDES) e André Silva (PAN), acerca dos desvarios fascisoides de Ventura, foram de uma total subserviência ao dito. Condenar o fascismo, a xenofobia e o racismo com palavras e/ou frases mais ou menos feitas não fazem nenhuma espécie de efeito a quem as profere.
Esquecem-se estes senhores/as estão a lidar com mentecaptos que não têm qualquer respeito pelos outros, este tipo de abjecto tem de ser combatido com firmeza e objectividade, quer nas palavras quer nos actos.
Onde está a palavra fascismo e fascista para classificar esta gente?
Estes deputados e o próprio Presidente da AR (Ferro Rodrigues) já se esqueceram?
Sabemos que quer PCP, quer o BE seguem o politicamente correcto, em minha opinião é um tremando erro de palmatória.
O PCP deixou há muito a luta de classes e aburguesou-se. Prefere controlar os sindicatos (CGTP) e pouco mais, limita-se a manter o seu eleitorado (cada vez mais velho) e quase que fala exclusivamente para ele, deixou de ser a referência revolucionária de antanho.
O BE é um partido da média-burguesia urbana, que para além das causas fracturantes pouco mais produz.
Existe um enorme vazio à esquerda, falta uma organização verdadeiramente revolucionária para mobilizar as massas populares em seu redor. Uma organização que reúna uma verdadeira vertente revolucionária, anti-fascista e anti-capitalista, que chame fascista aos fascistas e não se remeta a salamaleques burgueses, pretendendo com isso não “ofender” os destinatários. É o politicamente correcto.
As grandes manifestações de massas (“Que se lixe a Troika” ou “Geração à rasca”) que juntaram pelo país centenas de milhares de pessoas, dificilmente se repetirão. A geração mais jovem aburguesou-se e, na sua maioria, prefere as tretas tecnológicas e/ou adereços mad-in China de duvidosa qualidade, a sair da sua zona de conforto e lutar por eles e seus filhos. A geração intermédia, na sua maioria, está instalada com empregos mais ou menos mal-pagos onde proliferam os recibos-verdes e a precariedade, mas preferem “isto” a lutarem por “coisa” melhor. Finalmente a minha geração, a geração que fez o 25 de Abril, estamos “velhos”, a maioria já se finou e a maioria dos que ainda por cá andam ou estão em “armazéns de velhos” (vulgo) lares de terceira idade, ou em casa dos filhos e/ou netos, já não temos força para fazer o que quer que seja, muito menos uma verdadeira organização revolucionária.
Apesar de tudo, vamos tentando remar contra esta nova maré fascista que se tem aproximado.  
Definitivamente a malta acomodou-se, por isso, não é de estranhar o aparecimento de venturas e afins.

Voltei

Depois de uns tempos afastado, voltei.

Obrigado a todos e a todas que por cá têm passado.

25 de outubro de 2017

E QUE TAL UMA MOÇÃO DE CENSURA PARA ACABAR...... EM BELEZA

Cada vez mais me convenço que o triunvirato - MARCELO VS INCÊNDIOS VS MOÇÃO DE CENSURA está interligado, e tudo não passa de forma maquiavélica tentar derrubar o governo de Costa apoiado pelo PCP, BE e VERDES. Assim como também certa comunicação-social, nomeadamente jornaleiros que se servem/serviram da desgraça para denegrir um governo LEGÍTIMO. 

Marcelo é um político hábil e sabe manobrar melhor que ninguém os sentimentos das pessoas (afectos!!!!, selfies, beijinhos em tudo o que mexe, etc.) a isto junta-se a sua visão política de direita que lhe está no ADN, por isso nunca (apesar das aparências dizerem o contrário e só os incautos acreditarem) se pode dar bem com políticas de esquerda, para mais políticas essas apoiadas pelo partidos "extremistas" (onde é que já ouvi isto). E claro, tudo fará para o denegrir e derrubar. Este "cavaco" não é melhor que o outro.

Os incêndios que devastaram parte do país têm, quanto a mim vários culpados - desordenamento e uma visão capitalista/assassina da floresta.

Desordenamento -
É por demais evidente que nunca houve em Portugal uma política SÉRIA de ordenar o território, o mesmo ficou sempre entregue aos caciques locais que em colaboração com os patos-bravos da especulação imobiliária, desenhavam e dividiam a seu belo prazer e segundo os seus interesses de classe, nunca se preocupando com o interesse colectivo. 

Visão capitalista/assassina da floresta -
O sistema capitalista, todos o sabemos, tem sempre como primeiro objectivo a exploração do Povo e o controlo dos meios de produção, por tal, nunca poderá ver com bons olhos, o aparecimento na sena política de alguém que lhes coloque entraves e que lute contra eles e pelos interesses do Povo. Quem pensou que a luta de classes deixou de ter sentido como já ouvi alguns iluminados dizerem, pelos vistos estão redondamente enganados, o que se passou com os incêndios é também uma luta de classes. 
Vejamos - 
A quem interessa que o país arda, nomeadamente as espécies autóctones e as substitua pela peste-verde? 
A quem interessa comprar as árvores (pinheiro) queimadas a preço da uva-mijona?
A quem interessa e para onde vão os milhões de euros gastos no combate aos incêndios?
E por fim, a quem interessa que o país gaste milhões de euros em indemnizações e assim desviar verbas que serviriam para outros fins?
A resposta a estas e outras questões é só uma - AO CAPITALISMO E À DIREITA 

A moção de censura apresentada pelo CDS/Cristas é o culminar de todo este triunvirato maquiavélico. Cristas e seus capangas (PSD vs capitalismo vs Marcelo) tentaram e quase conseguiram os seus objectivos, mais do que derrubar o governo, coisa que se afigurava impossível, Cristas o que fez foi tentar desacreditar o governo e denegrir a sua imagem à custa da desgraça alheia. As medidas que vão constar no OE para 2018, nomeadamente a continuação da reposição de salários e pensões ROUBADOS por Passos/Portas/Cristas, novos escalões de IRS que beneficia os mais desfavorecidos e, acima de tudo, ver o país a crescer, o défice a atingir níveis históricos, o desemprego a diminuir, etc., tudo isto faz a ultra-direita comandada por ela, tudo fazer para retroceder a situação. Os incêndios é/foi a forma maquiavélica que teve para desacreditar o governo e seus apoiantes (PCP, BE). 

Finalmente, quem duvida que os incêndios são obra do crime organizado a soldo do capitalismo?

3 de outubro de 2017

O QUE SE SEGUIRÁ

Se a derrota de Passos já era esperada, nomeadamente em Lisboa e Porto, a derrota do PCP/CDU é para (quase) todos uma novidade. Vamos por partes.
Passos nos dois últimos anos desalinhou o PSD, retirou-lhe credibilidade e encostou-o à direita, não tendo arte nem engenho para fazer uma oposição séria. Durante a campanha, notava-se no seu discurso que não queria perder por muitos, amarrou-se a ideias sem sentido e frases-feitas, pensando que assim poderia segurar os seus bastiões conservadores. Depois teve Cristas a sua pedra no sapato, ao não querer alinhar no apoio à angolana em Lisboa, arriscou e perdeu, pois esta fez, ao seu estilo populista e demagógico (Portas ensinou-a bem), uma campanha de cativação do voto ao centro (PSD), se a isto juntar-mos a sua carinha laroca e simpática (coisas simples que contabilizam muitos votos) contrastando com a frieza de Leal Coelho, era de esperar a hecatombe.
Com esta derrota, Passos não tem muita margem de manobra, se bem que ainda consiga manobrar alguma baronite interna, já não a domina na totalidade. Perfilam-se vários personagens para a sucessão - Rio, Rangel, Sarmento, sem descartar o sempre-em-pé Santana Lopes. Todos eles têm algo em comum - são a direita do PSD.

A derrota do PCP têm um culpado - ESTRATÉGIA.
E aqui Costa foi inteligente, Porquê? Muito simples, nunca "atacou", nomeadamente nos bastiões comunistas o seu parceiro de governação. Ao contrário, Jerónimo passou a campanha a "atacar" o PS e a sua hipotética "mania" de querer maiorias absolutas, inclusive dando aqui ou ali umas "bicadas" na governação, pensando que assim iria cativar o seu eleitorado "fiel" ao querer demonstrar que está neste projecto (leia-se - apoio parlamentar) mas que continua (PCP) fiel ao seu programa. Claro que isto teve um preço e que preço. Dizer-se que a perca de dez câmaras, nove delas para o PS teve a ver com o apoio parlamentar que o PCP dá ao PS e que assim ofuscou os comunistas é puro engano.  Muitas das boas medidas que o povo teve nestes dois últimos anos deve-se em parte ao PCP, tivesse o PS maioria absoluta duvido muito que as ditas fossem postas em prática.
Depois houve "aqui vamos ganhar sem problemas" (Almada, Barreiro, Beja, etc.), onde o PCP descurou que pode perder, e onde a frase "as populações não vão demorar aperceber o erro" proferida por Jerónimo, não abona em nada a sua excelente credibilidade e cultura democrática a que nos habitou.

Os barões da comunicação já começaram a afiar as facas em torno do hipotético divórcio no seio da coligação. Penso que nada irá beliscá-la até ao fim da legislatura pelo menos e isto para bem dos portugueses. Se tal não acontecer e pode mesmo acontecer, será entregar a Costa a maioria absoluta de bandeja, o que seria muito mau. 
Por isso, é de todo o interesse, pelo menos para os mais desfavorecidos, que PCP e BE esqueçam as divergências e se juntem numa frente de esquerda, alargada a outras forças proguessistas para evitar a maioria absoluta de Costa em 2019. 

13 de setembro de 2017

AFINAL COMO LIMPAM OS COREANOS DO NORTE O CU

Na sua treta semanal no pasquim Expresso, Sousa Tavares, naquele seu jeito de sabe-tudo, escreve uma das maiores safadezas demagógicas que alguma vez li. Segundo ele, os norte-coreanos, salvo a nomenclatura dirigente, não têm papel-higiénico para limpar o rabo, porque simplesmente o mesmo não se encontra à venda  em parte nenhuma. Nem mesmo a um qualquer jornal, pois como só existe um (o oficial) e trás sempre uma ou mais fotos de Kim Jong-un, limpar o traseiro ao dito é pena de morte pela certa. E diz mais o eunuco, que o norte-coreano "comum" não tem aceso a qualquer tipo de casa-de-banho, quer na via publica (sic), quer no local de trabalho (sic), ou até, imagine-se, em sua casa (sic, sic). 
Chegado aqui, pergunto ao sr. Tavares (já que sabe tudo mas não explicou) como fazem então os coreanos (do Norte) para higienizar o rabinho depois da cagadela. 

Ora bem, se não existe papel higiénico, nem jornal, restam duas coisas: Ou guardam os sacos das compras (se estes forem de plástico torna-se mais complicado) ou então terão de andar com uma ou mais garrafas com água (se o coitado estiver de diarreia terá de ser com garrafão) para poderem limpar o rabo. Ou então (o menos provável) num qualquer fontanário.  

Não simpatizo nada com o regime norte-coreano ou equiparado, odeio ditaduras e ditadores, monarquias e realeza, meninos mimados, loucos e afins. Mas esta do papel higiénico é para rir à gargalhada. Onde chega a demagogia fascisoide de alguém que se diz de "democrata". Acusar o regime norte-coreano de medieval, ditatorial, governado por um puto louco, ainda vá que não vá. Mas denegrir todo um Povo, rebaixa-lo, ridiculariza-lo a este ponto, só de um louco também. 
  

6 de setembro de 2017

Cavaco Silva, esse imbecíl

Pensava que nunca mais iria escrever algo sobre a sinistra figura, mas não podia deixar passar as alarvidades que vomitou um dia destes na incubadora do PSD em Castelo de Vide. 
Cavaco Silva foi o político que esteve mais tempo no poder, só ultrapassado por esse outro "educador" da estrema-direita João Jardim. Cavaco foi também o pior dirigente político que Portugal teve pós-25 de Abril, mesmo aos seus apaniguados o tipo não deixa saudades, salvo a meia-dúzia de lambe-botas reaccionários com Passos à cabeça. 
Cavaco personifica o pró-fascista institucional, ou seja, era um óptimo substituto de Salazar, é um tipo sem escrúpulos, teimoso, sisudo, indecoroso, raivoso, impopular, etc., para alem de ter aquele tique fascisoide que tão bem o caracteriza. E tem para mim o pior defeito de todos - tem a mania que é sério e só ele é que sabe. 
Para Cavaco, os outros são seres inferiores e ignorantes, salvo um pequeno número de burgueses que o rodeiam e idolatram. 
Cavaco será sempre recordado pela sua imbecilidade, para além de nunca compreender o Povo, mesmo os que nele acreditaram. 

5 de agosto de 2017

DEIXEM A VENEZUELA EM PAZ

Nunca tanto se falou sobre a Venezuela como agora. Gostaria de lembrar a todos que o Venezuela é um país independente e soberano, logo, não tem de passar "cavaco" a ninguém. 
No meio de tudo o que vamos assistindo pelas TV's do burgo, todas anti-Venezuela, fica-me a ideia (quase certeza) que TUDO é fruto da impiedosa "mão" imperialista dos seus vizinhos do norte (USA) e não só. 
Pelo rectângulo, a direita assanhada, desorientada e sem argumentos, tenta encontrar nesta situação alguma dose de poder sobreviver. A esquerda (PCP) tenta também retirar dividendos políticos, sendo que ambos se bem de formas diferentes, tentam encostar o governo para que se pronuncie a respeito da situação encontrada pelo governo venezuelano. Os primeiros querem que Portugal (governo) condene, os segundos querem que apoie. 

Para os mais distraídos quero apenas recordar que não vejo nem vi "pedidos" semelhantes aquando das eleições nos USA´s, na Alemanha, França, Angola, etc., etc.. 
Então porquê no caso venezuelano? E não em outras (estas sim) ditaduras ferozes, casos da Arábia Saudita por exemplo, e mais recente a Turquia e outros países de leste? Quem "exigiu" a Portugal (governo) que se pronunciasse (em apoio ou contra) em relação a "eleições", referendos e afins nestes países?
Recordar até que ainda não há muito tempo, vimos o ultra-direitista do burgo (Paulo Portas) abraçado a Maduro e a fazer-lhe a vénia da praxe. Até alguns governantes actuais andaram com Chaves ao "colo" quando este veio a Portugal. A política burguesa é isto mesmo.

Primeiro - A Venezuela é o principal aliado de Cuba, "vendendo-lhe" o  petróleo a preços abaixo das tabelas internacionais. Logo, o imperialismo yanke e seus aliados europeus (e não só) não gostam. No lado oposto (PCP) aplaude. 
Segundo - Os países vizinhos da Venezuela, excepto Cuba, Bolívia e Equador, não  desejam ter como vizinho mais um país "comunista" e tudo fazem para o denegrir e destruir. No lado oposto o PCP aplaude.

Deixem os venezuelanos em paz. Eles que encontrem o seu caminho, sem interferências de ninguém. 

4 de maio de 2017

DOS DOIS, VENHA O DIABO (FASCISTA) E ESCOLHA

Dizem-nos que no resultado final das eleições em França está o futuro da Europa (leia-se) UE. Pelo que se conhece dos protagonistas, nenhum me merece nenhuma confiança.

Marine Le-Pen é a herdeira de uma ultra-direita fascista, xenófoba e racista, na linha do nazi-fascismo alemão e italiano dos anos vinte/trinta que ela tenta disfarçar, mas os genes de Vichy estão lá. Ou seja, é uma fascista actual -  modernaça, que veste Christian Dior e calça Louis Vuitton. 

Já Emmanuel Macron é o que poderia-mos apelidar de um vira-casacas, tão em voga entre a tecnocracia burguesa espalhada pelos faustosos gabinetes de Estrasburgo e/ou Bruxelas. Pertenceu ao PS de Hollande de onde saiu para se candidatar à presidência, formando um partido!!!!! vs movimento!!!!! de direita "Em Marcha" em tudo parecido à Frente (fascista) Nacional de Le-Pen.  

De uma coisa sabemos, ambos são personagens na linha fascisoide de Trump, Erdogan, Putin e quejandos.

2 de maio de 2016

FODA-SE PARA O COLONIALISMO/FASCISMO

Este "tesourinho" colonial, ficaria bem emoldurado numa qualquer dependência, de uma qualquer casa, de um qualquer simpatizante de direita vs facho e saudoso do "antigamente" (leia-se) fascismo.
Nunca me cansarei de gritar aos quatro ventos - MORTE AO FASCISMO E A QUEM O APOIAR.

E não é que há "gente" que tem saudades deste tempo?

Puta que os paríu.